quinta-feira, 7 de março de 2013

TRAJE DE NOIVA



Esta é a fotografia do casamento dos avós paternos da D. Benta. Ouvi falar dela há ano e meio, vi-a em casa de uma das irmãs da D. Benta mas, na altura, não me foi possível fotografá-la. Porque para fotografar uma fotografia destas é preciso tempo para conversar. E para tirar a fotografia da moldura e poder fotografá-la sem os reflexos do vidro a atrapalharem.
Desta última vez em Barroso, houve tempo. E a habitual generosidade dos familiares da D. Benta que me ajudam sempre que preciso. A fotografia é de 1905. Irene Gonçalves Pereira Capelo tinha só 17 anos. Manuel Tomás Dias Pereira era 20 anos mais velho. D. Irene criou filhos e muitos netos. Foi ela que ensinou D. Benta e demais netas a fazer meia e a tingir os fios de lã com aquilo que a natureza dava. 
O traje de noiva perdeu-se no tempo e dele, hoje, só restam as memórias uma e outra vez resgatadas de cada vez que as netas e os netos falam na mãezinha

10 comentários:

  1. Houve, há duas semanas atrás, um evento em Mértola sobre o traje dos noivos desde o principio do século XX. Fiquei admirada de ver vestidos de noivas em tons de cinza. Quando me casei na Beira Alta tinha feita uma pesquisa sobre trajes dessa altura e as noivas casavam de preto. É incrível como em cem anos mudou-se radicalmente a forma de vestir para o cerimonial!

    ResponderEliminar
  2. Diane
    Eu também julgava que o único traje de noiva escuro que existia no universo do traje popular português era o da noiva de Viana. Pelos vistos, era generalizado o uso de tons escuros na celebração matrimonial. Uma sobriedade que contrasta com alguns vestidos de noiva carnavalescos da contemporaneidade.

    ResponderEliminar
  3. local sff?para poder partilhar na pagina do trajar do povo, obg

    ResponderEliminar
  4. O local é referido noutros posts deste blogue: Lugar da Reboreda, na freguesia de Salto, concelho de Montalegre.

    ResponderEliminar
  5. O local é referido noutros posts deste blogue: Lugar da Reboreda, na freguesia de Salto, concelho de Montalegre.

    ResponderEliminar
  6. obg vou me permetir postar aqui https://www.facebook.com/pages/TRAJAR-DO-POVO-EM-PORTUGAL/126752774093987?ref=hl

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só mais alguns dados sobre esta fotografia. A imagem esteve exposta na exposição "Os panos que a casa dá - Trajes de Barroso" que se realizou no Museu de Arte Popular em Lisboa entre junho e outubro de 2013. Esta exposição integrou parte da coleção dos trajes recolhidos pelo Grupo Folclórico da Venda Nova (freguesia do concelho de Montalegre). Em princípio, estes trajes (e também a fotografia) serão expostos em Salto, na Casa do Capitão (Ecomuseu de Barroso) no decurso deste ano. A casaca que o noivo enverga (isto em jeito de comentário a uma pergunta que é feita na página do facebook que indicou - não tenho facebook, por isso, não posso lá comentar) será, em princípio, a mesma casaca que esteve exposta na referida exposição no núcleo dedicado ao traje de domingar. Essa casaca foi recolhida numa casa da Reboreda e integra a coleção de trajes do Grupo Folclórico da Venda Nova.

      Eliminar
  7. se nao me engano so no sul é que se casavam de outra cor, mas a cor preta vem da influencia do reino da ingleterra. tambem por motivos praticos a roupa servia para casar, grande ceremonias, romarias, e depois para levar pra o caixao.(vvv)

    ResponderEliminar

Acerca de mim

A minha foto
Sou uma antropóloga que só pensa em comida...
Instagram

Seguidores